Voltar

Revisão e Diagnóstico Fiscal

> Tributário e Fiscal

Análise minuciosa da documentação fiscal/operacional da empresa com o objetivo de ratificar os procedimentos adotados ou apontar contingentes que resultem em créditos tributários/previdenciários. Os estudos são baseados na documentação atual e pretérita (últimos 05 anos) da empresa, tendo o escopo de recuperar créditos de: PIS, COFINS, IPI, ICMS e INSS. Visando a excelência da prestação de serviço, o escritório auxilia diretamente no preenchimento das declarações eletrônicas e documentos fiscais necessários à realização dos procedimentos e obtenção dos benefícios fiscais/tributários indicados no trabalho, além de realizar as verificações fiscais “nota a nota”, não sendo utilizado o método da “amostragem”, o que proporciona a realização de um estudo completo e aprofundado sobre a saúde fiscal da empresa.

Notícias Relacionadas

  • 13 de January de 2021
    O Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação – ITCMD, é tributo de competência  estadual, cabendo a cada um dos Estados a sua instituição, dentro do seu respectivo território. No Estado de São Paulo, por exemplo, a Lei nº 10.705/2000 institui referido tributo, dispondo  acerca de sua incidência, base de cálculo, alíquota, entre outras disposições.  No que se refere a sua incidência, a Lei nº 10.705/2000 dispõe que o ITCMD incide nas  transmissões por sucessão legítima ou testamentária, bem como, por doação. Nas doações em  que se transfere apenas a nua-propriedade, preservando-se o usufruto ao doador, referida lei  estabelece como base de cálculo apenas 2/3 (dois terços) sobre o valor do bem. Isto significa  que a alíquota do tributo, que é de 4% (quatro por cento) será aplicada, nesta hipótese, apenas  sobre 2/3 (dois terços) do valor do bem.  Todavia, no momento em que ocorre o cancelamento ou a extinção do usufruto, pela morte do  usufrutuário por exemplo, o Estado de São Paulo tem exigido novamente o tributo quando da  consolidação da propriedade plena pelo nu-proprietário, em razão de disposição contida no  Decreto Estadual nº 46.655/2000.  Deste modo, na prática, o Estado de São Paulo tem exigido o ITCMD em dois momentos: (1)  quando da transferência da nua-propriedade do bem, reservando-se o usufruto; (2) quando do  cancelamento ou da extinção do usufruto pela consolidação da propriedade plena ao  nu-proprietário.   Esta dupla exigência do tributo afronta diretamente o disposto na Lei nº 10.705/2000, que  isenta o nu-proprietário do pagamento de ITCMD no momento da extinção do usufruto.  Por esta razão, podem os contribuintes ingressarem com medidas judiciais contra o Estado de  São Paulo, objetivando o não pagamento do ITCMD quando da extinção ou cancelamento do  usufruto, bem como, para anular eventuais débitos que já tenham sido lançados em  decorrência da propriedade plena pelo nu-proprietário, ou ainda, restituir eventual montante  que já tenha sido recolhido nesta situação.    Caroline Caires Galvez, advogada da área...

    Saiba mais

  • A Receita Federal limitou o benefício fiscal previsto na Lei 13.982/2020, sancionada no início da epidemia do coronavírus, que permite às empresas deduzir do repasse das contribuições da previdência social,...

    Saiba mais

  • Aumento vale a partir de 15 de janeiro, mas poderá esbarrar em decisão do STF que impede cobrança de ICMS para software   O governo de São Paulo aumentou de...

    Saiba mais

  • 9 de December de 2020
    Já pessoas físicas teriam taxação de lucros e dividendos. Relator, porém, não inclui imposto sobre transações financeiras O relatório da reforma tributária da Câmara dos Deputados prevê redução de imposto...

    Saiba mais