Innocenti Advogados > Destaques > Artigos > STJ decide que recebimento de outro benefício não autoriza concessão de pensão por morte vitalícia

Destaques

"STJ decide que recebimento de outro benefício não autoriza concessão de pensão por morte vitalícia"

Publicado em - Nenhum comentário

STJ decide que recebimento de outro benefício não autoriza concessão de pensão por morte vitalícia

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça no julgamento realizado em 20/06/2017 do REsp nº 1.449.938/RS negou provimento ao recurso da filha de ex servidor público federal por entender que o recebimento de outro benefício descaracteriza a dependência econômica em relação ao servidor falecido.

A requerente recebia aposentadoria por invalidez e pensão por morte de seu marido no regime geral da previdência social. Pleiteou a concessão de nova pensão em decorrência da morte de seu pai, auditor fiscal do INSS aposentado, alegando que, inobstante o recebimento dos benefícios citados, dependia de seu genitor para custear suas despesas. 

De acordo com o Ministro Relator Sérgio Kukina, a autora da ação não preenchia os requisitos do artigo 217 da lei 8.112/91, que instituiu a pensão por morte de servidor, pois não é possível caracterizar sua dependência econômica, mesmo considerando que os valores recebidos de ambos benefícios sejam baixos. Acrescentou que o fato de morar na casa dos pais e os benefícios percebidos terem fontes de custeio e fatos geradores diversos não são fatores que justificam a concessão de nova pensão.

Por fim, o Ministro Relator aduziu que a questão controversa na situação apresentada era a condição de sua dependência econômica com relação ao seu pai, que cessou no momento em que começou a trabalhar e se casou. 

O voto foi seguido pela maioria dos Ministros integrantes da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça, restando decidido que o recebimento de pensão por morte de ex servidor só é possível quando caracterizada a qualidade de dependente em relação ao instituidor da pensão, condição essencial prevista na legislação pertinente.

Artigo escrito por Lourenço Grieco Neto

Fonte: Innocenti Advogados Associados